4 mitos sobre anjos e demônios

Um Interesse atual

Não há indicações de que o fascínio do nosso mundo por anjos e demônios esteja em declínio. Raramente passa um dia que não ouvimos sobre o suposto encontro de alguém com um anjo sagrado ou um demônio, junto com notícias de que um novo programa de TV ou filme no Netflix, apresentará uma ou ambas as espécies de seres espirituais.

Infelizmente, porém, há muita confusão sobre anjos e demônios e certos mitos que simplesmente não vão morrer.

Aqui estão 4 deles.

Mito 1: Anjos e demônios são eternos e incriados.

Isso vai contra vários textos bíblicos. O salmista inclui todos os “anjos” de Deus e “hostes” celestiais entre aqueles a quem ele “criou” (Salmos 148: 2-5). O apóstolo Paulo afirma claramente que “tronos” e “domínios” e “governantes” e “autoridades”, linguagem padrão para seres angélicos e demoníacos, foram criados pelo Filho de Deus (Cl 1:16).

Além disso, cada anjo é uma criação direta, isto é, eles não descendem de um par original como fizemos; eles não procriam como nós (Mateus 22: 28-30). Não sabemos quando os anjos foram criados, mas é provável que isso tenha acontecido antes dos eventos de Gênesis 1: 1 ss (ver Jó 38: 4-7).

Satanás, sendo ele mesmo um anjo caído, não é eterno. Ele é uma criatura finita. Ele é, portanto, o adversário de Deus. Satanás não tem poder igual e oposto ao de Deus (contra o dualismo). Seu poder não é infinito. Ele não possui atributos divinos. Em suma, ele não é páreo para Deus! No máximo, Satanás é o poder igual e oposto do arcanjo Miguel [esta é uma opinião do autor que respeitamos, mas discordamos, na verdade Satanás também não se compara em poder e oposição a Miguel, pois sempre quando eles tem um embate Miguel sai vitorioso, para mais informações leia o artigo Quem é o Arcanjo Miguel].

Mito 2: Anjos e demônios são todo-poderosos.

Não se enganem, eles são poderosos! Mas só Deus é onipotente. Todo poder angélico está sujeito ao poder e propósito de Deus (Sl 103: 20; 2 Pedro 2:11).

Em Gênesis 19: 12-16, anjos são usados por Deus para destruir Sodoma e Gomorra. Em 2 Reis 19:35, um anjo é autorizado a matar 185.000 assírios. De acordo com Mateus 28: 2, um anjo moveu a pedra do túmulo de Cristo. Em Atos 12, um anjo entrou em uma prisão trancada e libertou Pedro. Em Atos 12:23, lemos que um anjo matou Herodes da maneira mais horrível. Anjos aparecem no livro do Apocalipse (ver especialmente Apocalipse 7: 2-3) para influenciar os fenômenos da natureza.

Também vemos que os demônios podem infundir suas vítimas com força sobre-humana (Atos 19:16; Marcos 5: 3) e, como os santos anjos, podem mover-se rapidamente pelo espaço (Daniel 9: 21-23; 10: 10- 14). As barreiras físicas normais não restringem sua atividade (uma “legião” [6.000] de demônios habitava um homem e depois 2.000 porcos).

Demônios também podem agredir fisicamente alguém e/ou causar aflição física. (Lucas 9:39) Mateus 17:15 fala de um demônio que aprisiona um menino. Ele é jogado no chão ou no fogo ou na água, junto com outros sintomas violentos. Em Mateus 9: 32-34, a incapacidade de um homem falar é atribuída a um demônio (cf. 12: 22-24; Lucas 11: 14-15).

Note-se, no entanto, que há vários casos nos evangelhos da cegueira ou a incapacidade de falar que Jesus cura que não são atribuídos à influência demoníaca (Mt 9: 27-31; 20: 29-34; Marcos 7:31). -37; 8: 22-26; 10: 46-52; Lucas 18: 35-43; João 9: 1-7).

Mito 3: Anjos e demônios são onipresentes.

Sabemos que os anjos são seres espirituais porque são imateriais ou incorpóreos. Eles não têm carne nem sangue nem ossos. Eles são, como Hebreus 1:14 declara, “espíritos ministradores”. No entanto, apesar de serem espíritos, eles têm limitações espaciais. Em outras palavras, os anjos não são onipresentes (ver Dan. 9: 21-23; 10: 10-14, onde encontramos tanto o movimento espacial quanto as limitações temporais). Eles estão sempre em um único lugar a qualquer momento.

Há um sentido em que, como seres espirituais, eles também têm forma ou formato. Ou seja, eles estão confinados no espaço (seu ser não é distribuído pelo espaço). Eles estão localizados.

Os anjos têm “asas” literais?

Os serafins são retratados como tendo asas em Isaías 6: 2, 6 (veja também Ezequiel 1: 5-8). Gabriel é retratado como voando para o lado de Daniel (Daniel 9:21; cf. Apocalipse 14: 6-7). Se todos os anjos são ou não alados, é simplesmente impossível dizer. Eu estou inclinado a pensar que os anjos não têm gênero (veja Mt 22: 28-30); daí eles não procriam. Devo salientar, no entanto, que eles são sempre descritos no gênero masculino (mas veja Zacarias 5: 9).

É importante lembrar que, embora ele seja poderoso e engenhoso, Satanás só pode estar em um lugar ao mesmo tempo. Ele pode despachar suas hostes demoníacas para fazer sua vontade, mas Satanás não pode estar tentando um crente em Bangladesh e simultaneamente atacando outro em Berlim. Satanás é certamente ativo na terra, mas ele está sempre em um lugar no espaço a qualquer momento.

Mito 4: Os anjos da guarda não são necessariamente bíblicos.

A noção de anjos da guarda é um “mito” ou é verdade?

Essa é uma pergunta difícil de responder. Alguns argumentam que o “anjo” de cada uma das sete igrejas em Apocalipse 2-3 é o anjo da guarda daquela congregação local. Anjos são descritos como “ministros” (leitourgos), uma palavra que sugere um serviço sacerdotal (Hb 1: 7, 14; cf. Sl 103: 19-21).

Eles fornecem orientação e direção para o povo de Deus (Gn 24: 7,40; Êxodo 14:19; ver também Êxodo 23:20; Nm. 20:16; Atos 5: 17-20; 8:26; 10: 3-7, 22; 16: 9), bem como conforto e encorajamento (Mateus 4:11; Lucas 22:43; Atos 27: 22-24). Os anjos também guardam e protegem os filhos de Deus, como fica claro em Salmos 34: 7; 78: 23-25; 91:11; 1 Reis 19: 5-7; Dan 6: 20-23; e 12: 1.

Nós lemos em Atos 12:15 dos crentes que confundiram o próprio Pedro com “seu anjo”. É possível que Lucas esteja apenas descrevendo sua crença sem ele próprio endossá-la. Outros argumentam que ele pretende ensinar que cada um de nós não apenas tem um anjo da guarda, mas também que este último pode assumir nossas características físicas. Sim, parece estranho, mas por que mais eles teriam concluído que a “pessoa” na porta era o anjo de Pedro e não alguém ou alguma outra coisa?

Em Mateus 18:10, Jesus adverte contra a negligência das criancinhas e lembra aos seus discípulos que “os anjos deles sempre vêem a face de meu Pai que está no céu”.

Um costume antigo prevaleceu nas cortes orientais de acordo com as pessoas que estavam “diante do rei” ou foram autorizados a “ver seu rosto” eram oficiais que desfrutavam do favor especial do rei e tinham o privilégio de desfrutar da comunhão mais próxima possível. A implicação pode ser que os anjos do mais alto nível sejam designados e comissionados por Deus para cuidar com amor de seus “pequeninos”. Assim, Jesus está dizendo: “Não despreze meus ‘pequeninos’, pois eles são tão altamente considerados que Deus designou seus anjos mais ilustres para vigiá-los”. Sua presença constante diante dele pode ser para que eles possam responder rapidamente para quaisquer tarefas que Deus possa atribuir-lhes em seu ministério para nós.

Por Sam Storms

Artigo original: https://www.crossway.org/articles/5-myths-about-angels-and-demons/

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *